(31) 4063-9493 | 3146-9493     [email protected]

    • (31) 99725-4404

3 Ferramentas para entender a Exposição Ocupacional a Vapores

vapores

Por:João Vitor
Higiene Ocupacional

09

abr 2021

Os termos: vapores, gases, fumos, poeiras, entre outros, são muito utilizados para descrever os agentes químicos que podem causar exposição ocupacional. No entanto, muitos profissionais se apegam a estes termos e não conseguem fazer um bom reconhecimento de riscos. Afinal, quem nunca se deparou com uma avaliação de “Vapores Orgânicos”? 

 

Acompanhe este artigo! 

 

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!       

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas aulas gratuitas sobre temas que irão facilitar a avaliação de Agentes Químicos para Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo. Aproveite e se inscreva para a live da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga! 

 

Qual a definição técnica de para definir vapores?  

Os vapores são formados por substâncias no estado gasoso que, nas condições habituais do ambiente, se apresentam no estado líquido ou sólido. A formação do vapor pode se dar, principalmente, pela elevação de temperatura ou diminuição da pressão atmosférica. 

 

As 3 ferramentas que auxiliam no entendimento da exposição ocupacional aos vapores 

Embora o entendimento das formas de dispersão dos agentes químicos seja primordial para uma boa avaliação da exposição ocupacional, ainda mais importante é entender quais são os agentes químicos geradores desta exposição. Só assim será possível concluir se há ou não risco associado a aquela exposição. 

Um jargão comum da área de segurança do trabalho está relacionado a exposição a “vapores orgânicos”. A utilização desta terminologia constitui um erro grave para o higienista ocupacional e mostra que o profissional não realizou um reconhecimento de riscos adequado. O termo “vapores orgânicos” não é específico e existem centenas de substâncias químicas orgânicas que podem gerar vapores. Dada a amplitude do termo, o higienista ainda está na estaca zero e não conhece os riscos que precisa avaliar.   

 

As 3 ferramentas que auxiliam no entendimento da exposição ocupacional aos vapores 

Agora que já sabemos quais são as substâncias que precisam ser avaliadas, o Higienista Ocupacional, pode dispor de 3 ferramentas que ajudam na tomada de decisão sobre o risco ocupacional aos vapores. 

  1. Pressão de Vapor: A pressão de vapor mede a tendência de um líquido ou sólido virar vapor, assim substâncias com alta pressão de vapor são mais voláteis, enquanto substâncias com baixa pressão de vapor são substâncias pouco voláteis.
  2. Temperatura: A temperatura é uma grandeza que se relaciona diretamente com a volatidade das substâncias. Em geral, quanto maior a temperatura do processo, maior a pressão de vapor da substância e consequentemente, maior a sua volatidade. 
  3. Limite de Exposição Ocupacional: O Limiteé um valor padrão de comparação em que se acredita que a maioria das pessoas, caso estejam expostas abaixo daquele valor, não vão ter nenhum tipo de adoecimento ou mal estar ocasionado pela exposição ao agente físico, químico ou biológico. Quanto menor o LEO, maior a toxicidade destes agentes, consequentemente, até pequenas exposições podem gerar um grande risco.   

 

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades da sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional. E ainda oferecemos cursos e palestras sobre reconhecimento e avaliação de agentes químicos para higiene ocupacional. Contate-nos e saiba mais! 

 

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo: 

Inscreva-se em nosso canal do Youtube  clicando aqui. 


Compartilhe:

Av. Bernardo Monteiro, 971 - 10 andar, Funcionários - Belo Horizonte /MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

(31) 99725-4404

[email protected]