(31) 4063-9493 | 3146-9493     comercial@analyticsbrasil.com.br

    • (31) 99725-4404

Álcalis Cáusticos: O que é isso?

Por:Analytics Brasil
Análises Químicas | Analytics Brasil

02

fev 2020

Álcalis Cáusticos é um tema frequente em perícias e muitas decisões são feitas sem um parâmetro técnico. Mas afinal, o que é um álcalis cáustico? Neste artigo, eu, Leandro Magalhães, vou te explicar de uma vez por todas em como reconhecer esse agente no ambiente de trabalho. 

Acompanhe e saiba mais! 

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades! 

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana, clique aqui e garanta a sua vaga! 

O que é Álcalis Cáusticos? 

A única razão para existir o termo “álcalis cáusticos” para a Higiene Ocupacional é  devido ao anexo 13 – que trata da fabricação e manuseio de álcalis cáusticos; em termos de prevenção e riscos é irrelevante. Para fazer a prevenção, com um PPRA bem feito e com medições, o que você tem que saber é a composição dos produtos e identificar os agentes químicos presentes. 

Álcali vem de base, base em química significa dizer que são aqueles compostos que quando se dissolvem em água, origina um pH maior do que 7. Qualquer substância que quando dissolvida em água pode liberar o ânion hidroxila, ou seja, quando dissolvida em água ela libera o ânion OH 

Já a causticidade está relacionada à definição de queimadura, e quando em contato com nós humanos o álcalis cáustico pode causar algum tipo de queimadura. Segundo o Sistema Harmonizado Global, o GHS, um produto corrosivo (um ácido ou uma base) é qualquer material que, quando em contato com a pele por mais de 4 horas, pode gerar uma destruição visível da epiderme.  

O que é uma base em química? 

São aquelas substâncias que quando dissolvidas em água liberam o ânion hidroxila. A forma mais fácil de descobrir uma base é identificando a nomenclatura “hidróxido de”. Tendo em vista que a força das bases estão ligadas ao potencial que elas têm de liberar íons OH– em solução. Quanto mais forte for uma base, mais íons ela libera; e consequentemente ela se dissocia naquele meio. 

Por exemplo, se estamos falando de hidróxido de sódio (soda cáustica), ela é uma base muito forte, ela se dissocia completamente. Nas condições normais, praticamente todo hidróxido de sódio está dissolvido em íons Na + e íons OH – 

Ao contrário do hidróxido de magnésio, ou leite de magnésio, que é uma base fraca; e se colocada em água, ela não vai se dissociar, ela tende a ficar agregada. É assim que a gente mede a força de uma base, a tendência dela se dissociar em meio aquoso. 

Como medir a força de uma base? 

Através do pH dessa base. O pH é o potencial hidrogeniônico, se tratando de uma mesma concentração de duas bases diferentes, a que tiver o maior pH é uma base mais forte, porque ela conseguiu se dissociar mais e liberar mais íons OH. 

Soluções mais concentradas tendem a ter um pH mais alto de uma base. Mas lembre-se de que o pH não é uma medida para determinar se há a presença de álcalis cáusticos ou não. 

Para esses agentes causarem queimaduras e serem considerados álcalis cáusticos, eles devem ter uma concentração elevada, o pH tem que ser alto e isso vai depender do tipo do agente.  

E o que diz a resolução do Ministério da Saúde sobre materiais saneantes?  

Os produtos de Risco II – compreendem os saneantes domissanitários e afins que sejam cáusticos, corrosivos, os produtos cujo valor de pH, em solução a 1% p/p à temperatura de 25º C (vinte e cinco graus Celsius), seja igual ou menor que 2 e igual ou maior que 11,5, aqueles com atividade antimicrobiana, os desinfetantes e os produtos biológicos à base de microorganismos. Os produtos classificados de Risco II devem atender ao disposto em legislações específicas e aos seguintes requisitos:  

  1. a) Produtos formulados com substâncias que não apresentem efeitos comprovadamente mutagênicos, teratogênicos ou carcinogênicos em mamíferos.
  2. a) Produtos com DL50 oral para ratos, superiores a 2000mg/kg de peso corpóreo para produtos líquidos e 500mg/kg de peso corpóreo para produtos sólidos, na diluição final de uso. Será admitido o método de cálculo de DL50 estabelecido pela OMS.

Caso tenha um produto que é um líquido, para que ele seja considerado corrosivo a sua concentração tem que ser 1% e o pH igual 11,5. Para esses agentes terem um pH tão alto normalmente estamos falando de uma classe específica. Normalmente são os hidróxidos dos metais alcalinos terrosos, ou seja, os metais da família 1A. Que são bases extremamente fortes, e para uma solução de apenas 1% produzir um meio com pH acima ou igual a 11,5 só podemos estar falando dessas substâncias, porque é uma concentração baixa para um pH tão alto. 

Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário! 

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades de sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional, além de oferecer palestras de cunho educativo sobre higiene ocupacional. Contate-nos e saiba mais! 

 

 

 


Compartilhe:

Av. Bernardo Monteiro, 971 - 10 andar, Funcionários - Belo Horizonte /MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

(31) 99725-4404

comercial@analyticsbrasil.com.br