Sílica Cristalina: Aplicação no laudo de insalubridade e PGR

Por:Leandro Magalhães
Higiene Ocupacional

31

dez 2021

Sílica Cristalina: Aplicação no laudo de insalubridade e PGR 

A sílica cristalina é um dos agentes de risco mais comuns encontrados no dia-a-dia da indústria brasileira. Ainda nos dias de hoje, a sílica cristalina é responsável pelo adoecimento de trabalhadores, podendo levar a quadros de fibrose pulmonar e câncer de pulmão. Hoje trazemos uma discussão sobre como a sílica deve ser tratada nos laudos de insalubridade e no PGR. 

Acompanhe este artigo! 

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!       

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas aulas gratuitas sobre temas que irão facilitar a avaliação de Agentes Químicos para Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo. Aproveite e se inscreva para a live da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga! 

O que é sílica? 

A sílica é um dos minerais mais abundantes na terra. Ocorre na forma cristalina e amorfa, naturalmente encontrada em pedras, areias, argilas, terras, etc. Para Higiene Ocupacional, a forma mais relevante da sílica é em seu estado cristalino (destaque para: α-quartzo, cristobalita e tridimita). Isto porque a exposição a sílica amorfa é classificada apenas como causadora de incômodo aos trabalhadores, já a exposição a sílica cristalina pode levar a doenças pulmonares graves.  

(a)           (b)  

Figura 1. (a) Sílica Cristalina (b) Sílica Amorfa. 

Sílica Cristalina e o Adicional de Insalubridade 

Embora a NR15 gere muita controvérsia entre os profissionais de segurança do trabalho, é sempre importante lembrar que o nosso papel é fornecer pareceres técnicos frente ao que é indicado na norma. A sílica cristalina é tratada no Anexo 12 NR15 e possui 3 limites de tolerância disponíveis. Caso a exposição ocupacional dos trabalhadores esteja acima do limite de tolerância e não exista nenhum controle desta exposição, deve ser realizado o pagamento do adicional de insalubridade. No entanto, se após a medição, a exposição estiver abaixo do limite de exposição ocupacional, o pagamento do adicional de insalubridade não deve ser realizado. 

Vale ainda lembrar o mais importante, que o trabalho do higienista não termina com o pagamento da insalubridade. Se você observa que há potencial de exposição do trabalhador a algum agente de risco, cabe a você realizar a gestão deste risco de forma a garantir a sua saúde ocupacional.  

Sílica Cristalina e o Programa de Gerenciamento de Riscos 

O Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR), assim como o próprio nome sugere, é um programa que deve ser adotado pelas empresas com o intuito de gerenciar os potenciais riscos nos ambientes de trabalho. Cabe ao higienista ocupacional antecipar, reconhecer, avaliar e por fim controlar os riscos ocupacionais de forma a preservar a saúde dos trabalhadores.  

 

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades da sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional. E ainda oferecemos cursos e palestras sobre reconhecimento e avaliação de agentes químicos para higiene ocupacional.Contate-nos e saiba mais! 

 

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo: 

 

 

Inscreva-se em nosso canal do Youtube clicando aqui. 


Compartilhe:

Av. Bernardo Monteiro, 971 - 10 andar, Funcionários - Belo Horizonte /MG