(31) 4063-9493 | 3146-9493     [email protected]

    • (31) 99725-4404

Entenda os principais pontos de Análise da Nafta

Por:Analytics Brasil
Análises Químicas | Analytics Brasil

22

dez 2019

Entenda neste artigo os principais pontos que você Higienista Ocupacional deve se atentar ao fazer a análise de nafta. As Naftas, conhecidas também por derivados de petróleo, são utilizadas principalmente como matéria-prima da indústria petroquímica, e muitos profissionais ainda têm dúvidas de como enquadrar e analisar esse composto.

Acompanhe e saiba mais!

 Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana, clique aqui e garanta a sua vaga!

O que é?

A Nafta não é nada mais que um destilado de petróleo. Você pega o petróleo cru coloca em um torre de destilação fracionada, e de forma simples você aplica a temperatura… O petróleo é uma mistura de compostos de sua maioria hidrocarbonetos – que são compostos orgânicos constituídos apenas de carbono e hidrogênio. Com o  aumento de temperatura eles começam a se desprender, e cada um deles vão sendo transferidos para uma parte da torre de destilação, os mais leves saem na parte de cima e os mais pesados embaixo. Enquanto as naftas saem no meio da torre de destilação.

A maioria das naftas têm o ponto de ebulição entre 35ºC e 320ºC. Portanto, as naftas são hidrocarbonetos derivados de petróleo e obtidas por meio de destilação em uma refinaria. 

As principais aplicações no mercado

As naftas são utilizadas como solventes ou também em processos petroquímicos para a produção de polímeros. Mas muitas delas são utilizadas como solventes de tintas, solventes de borracha, e em vários tipos de aplicação. O solvente é um líquido amarelado de cheiro característico que se dissolve no meio que se propõe. Muitas das naftas são utilizadas como solventes e como produtos de reação de polimerização. 

Os principais riscos de exposição às naftas

A composição principal das naftas são os hidrocarbonetos saturados, que contêm carbono e hidrogênio sem ligações duplas e triplas, causando depressão no Sistema Nervoso Central. É um efeito comum na maioria desses hidrocarbonetos. De forma muito generalista, quanto menor a quantidade de carbonos em hidrocarbonetos, mais tóxicos eles tendem a ser. 

Sempre que existe a exposição, também é preciso pensar nos efeitos agudos que ela pode causar. Se a exposição for muito alta, mesmo que não tenha um efeito crônico, ela pode gerar um efeito agudo. Por isso algumas substâncias têm Limite de Exposição  determinado para efeito agudo. Além do contato dermal, grande parte da nossa pele é composta de gordura; o composto orgânico é totalmente apolar, e tende a penetrar muito no organismo por via dermal, é uma via super importante quando nos referimos às naftas.

Agentes Cancerígenos 

A ACGIH retirou os limites definidos como padrões para as Naftas e estabeleceu um procedimento de cálculo desses limites. Ao longo do tempo a composição dessas naftas iam mudando e, antigamente, a probabilidade de haver benzeno em uma nafta era muito maior que hoje em dia.

O benzeno é um composto cancerígeno, mas a tendência é que não tenha tantos compostos cancerígenos. Tanto é que para os limites das naftas não se pode considerar as naftas que tenham compostos totalmente cancerígenos, porque é um efeito muito maior do aquele causado pelo sistema nervoso central, podendo causar diferentes tipos de câncer. Portanto, a tendência é que não se tenha, mas é possível encontrar.

Como minimizar a exposição às naftas? 

Através da Hierarquia de Controles. A primeira etapa a ser tomada é a antecipação. Faça as seguintes perguntas:

Se você vai utilizar a nafta, você consegue eliminá-la? 

É possível substituí-la por um produto menos tóxico? 

Não é possível? Então recorra à próxima etapa de controle de engenharia, utilizando o sistema de ventilação, sistema de exaustão, equipamento de proteção coletiva… 

Não é possível utilizar EPC? Então recorra aos controles administrativos, um exemplo que pode ser aplicado é a rotatividade de turnos para diminuir o tempo de exposição daquele trabalhador.

A última medida a ser tomada é a utilização dos respiradores. Isso irá depender das concentrações, das exposições sofridas por aquele trabalhador, da implantação do PPRA, e da escolha do melhor tipo de máscara relativo à concentração de exposição do trabalhador. Se a última tomada de decisão for  a utilização do EPI, é primordial a implementação de um PPR. 

É primordial tomar esse cuidado para que não haja exposição a esses trabalhadores e para que a empresa não enfrente problemas no futuro. Siga a NR 6 e implemente um PPR com todas as diretrizes de um Programa de Proteção Respiratória, pois somente entregar o equipamento não é suficiente. 

Como estamos falando de naftas, é muito importante verificar a compatibilidade do traje e também das luvas. Não é qualquer luva e traje que será impermeável ao agente em questão, você deve verificar a sua  compatibilidade química. 

Um pintor, por exemplo, se ele tiver utilizando um diluente –  composto majoritariamente de naftas, é muito difícil usar luvas e também traje. Em algumas dessas profissões essa questão torna-se muito crítica. É necessária uma investigação mais ampla e buscando entender melhor o que está se passando no ambiente. 

Número CAS

As naftas, geralmente, são bem definidas. Uma nafta benzina, por exemplo, terá como característica a sua faixa de destilação. E geralmente a sua composição também é bem determinada.

Porém, os números CAS são muito generalistas. Através deles não é possível gerar nenhuma informação relevante e não é possível obter nenhuma informação específica da substância. 

Alguma substâncias estão passando por um processo de revisão para tentar determinar melhor o seu número CAS. Existe CAS mais genéricos que podem ser usados para inserir na FISPQ. Já a gasolina é bem definida e tem um CAS específico.

O que vai mudar com o tempo é o tratamento que essas naftas vão sofrer. Com o tempo, a tendência é o tratamento dessas naftas para a retirada de alguns compostos, que são altamente tóxicos. Essa composição tende a ser fixa com o tempo,  e o CAS não contribui muito para essas análises até que haja estudos sobre esse caso.

As FISPQs precisam ser bem elaboradas também, e cabe cobrar aos fornecedores. 

Como são feitas as avaliações das Naftas?

A ACGIH estabeleceu o procedimento do cálculo recíproco, que tem como base a composição do líquido, no qual é possível derivar e encontrar um limite de exposição ocupacional para determinado solvente. 

O procedimento é aplicável somente para aqueles solventes que contêm hidrocarbonetos, mas com composição e uma faixa bem restritiva, normalmente são aqueles compostos que têm de 5 a 15 átomos de carbono em sua estrutura e que o ponto de ebulição varia de 50ºC a 55ºC.

A partir da concentração dos GGVs é possível calcular o valor de guia da mistura daquela nafta. É um referencial técnico para essas exposições, aproximado. Fazendo isso você encontra o limite ou o GGV da mistura. A partir disso, com o tubo de carvão você vai a campo fazer a coleta da amostra, e depois, envia para o laboratório. Cabe ao laboratório quantificar os hidrocarbonetos presentes na amostra.

Procedimento de identificação

Não use a varredura de solventes para concluir a exposição à nafta. São coisas completamente distintas. A varredura de solventes é uma análise complicada, ela é apenas o ponto de partida para o reconhecimento de riscos, mas não deve ser conclusiva. É uma forma de economizar dinheiro caso você conheça os agentes que estão ali presentes. 

Você deve avaliar cada composto individualmente. Muitos compostos que estão presentes nas naftas, podem não estar presentes na varredura de solventes. E as naftas possuem o efeito aditivo do sistema nervoso central, então você não pode usar os limites sozinhos. Não use varredura de solventes para caracterizar exposição à nafta.

Questione o seu fornecedor e exija uma FISPQ melhor. Este é o mínimo que você precisa fazer quando for comprar um produto. Nó atuantes da Higiene Ocupacional, nós somos cientistas, precisamos questionar. Essas informações não estão na palma da mão, não tem uma receita de bolo. Valorize o seu trabalho e corra atrás das informações. 

Acompanhe também o nosso artigo sobre Naftas: Descubra como analisar estes agentes químicos conforme a ACGIH. Neste artigo falamos um pouco mais sobre as naftas, compostos derivados dos destilados de petróleo e de misturas de hidrocarbonetos. Clique aqui!

Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário!

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades de sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional, além de oferecer palestras de cunho educativo sobre higiene ocupacional. Contate-nos e saiba mais!

 


Compartilhe:

Av. Bernardo Monteiro, 971 - 10 andar, Funcionários - Belo Horizonte /MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

(31) 99725-4404

[email protected]