(31) 4063-9493 | 3146-9493     [email protected]

    • (31) 99725-4404

Exposições Ocupacionais na Construção Civil

Por:Analytics Brasil
Analytics Brasil | Higiene Ocupacional

10

nov 2019

Já diria o ditado: “é melhor prevenir do que remediar”. A construção civil é um dos segmentos da indústria responsável pelos maior índice de acidentes do trabalho, em sua maioria de natureza grave e até fatal. Veja neste artigo quais são as principais Exposições Ocupacionais na Construção Civil, as principais doenças e como evitá-las. 

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana, clique aqui e garanta a sua vaga!

O Reconhecimento de Riscos, muitas das vezes, é feito errado na construção civil. Muitos profissionais apenas como reconhecem a poeira respirável respirável como risco, ou infelizmente pior ainda, como poeira total, que não existe mais! A  construção civil é uma das indústrias mais complexas e uma das mais artesanais, até hoje dependente de mão de obra artesanal e  que não tem muito maquinário, contando fortemente com a mão de obra do trabalho humano.

Em um estudo divulgado em 2017 na área da construção civil, foi identificado  que mais de 2 milhões de trabalhadores estavam expostos à sílica cristalina; principal agente presente na construção civil, cancerígena,  que causa silicose, e ainda pode causar o câncer de pulmão. O profissional que precisa fazer LTCAT na construção civil deve ficar atento a essas exposições, principalmente para a nossa aposentadoria especial. 

De acordo com o decreto número 3.048/1999 (Agentes patogênicos causadores de doenças profissionais ou do trabalho, conforme previsto no art. 20 da lei nº 8.213 de 1991),  diz que se o agente tiver número CAS e estiver na lista da LINACH, a menor possibilidade de exposição dá o direito à aposentadoria especial.

Como reconhecer um risco químico?

Para iniciar o processo de reconhecimento você deve responder algumas perguntas fundamentais: 

 

  • Quais os problemas de saúde mais comuns que são encontrados nesse ambiente?
  • Quais são os agentes presentes nesse ambiente?
  • Qual a chance das pessoas que estão no ambiente experimentem problemas de saúde devido às exposições aos diferentes níveis de agentes ocupacionais?
  • Qual é o nível abaixo do qual alguns produtos químicos não representam risco para a saúde desses trabalhadores?
  • Em relação aos agentes ambientais presentes, qual é o tempo de exposição que o trabalhador deve ficar exposto a esse agente para desenvolver essas doenças e o mal estar?
  • Algum trabalhador é mais propício a desenvolver uma doença ocupacional?
  • Quais são as  vias de exposição mais importantes?

 

Conhecendo os agentes e conhecendo as doenças ocupacionais mais comuns é possível compreender os maiores riscos ocupacionais presentes nesse ambiente. Vale lembrar que um bom reconhecimento de risco não é só ir a campo e fazer uma lista dos agentes presentes naquele ambiente. Você  deve trabalhar com probabilidades e grau de risco. Nós temos limites de efeito crônico e limites de efeito agudo, então são mapeamentos de risco completamente diferentes.. 

Para o reconhecimento de um risco químico, você como higienista ocupacional, deve fazer um pré julgamento, visitar o canteiro, conhecer as instalações, conhecer como foi construído o prédio,  qual tipo de material foi utilizado… essas são questões básicas. Sem conhecer dessas especificações fica impossível impossível prevenir doenças ocupacionais. 

As principais doenças ocupacionais na construção civil

  • Distúrbios músculo-esquelético: costas e outras lesões musculares e articulares;
  • Dor e entorpecimento dos dedos e mãos;
  • Dermatite ocasionada pela exposição ao cimento e solventes;
  • Perda auditiva induzida pelo ruído (causada pela exposição a altos níveis de ruído), zumbido ou surdez;
  • Doenças relacionadas ao amianto.
  • Silicose
  • Pneumoconioses
  • Intoxicação por metais pesados

 

Muitas empresas apesar de oferecer todos os equipamentos necessários à proteção do trabalhador, não fornecem orientação quanto ao uso e aplicabilidade no dia a dia. Além disso, a referência ao uso propriamente dito dos equipamentos, ao desconforto que eles provocam no trabalhador, e como muitas vezes eles atrapalham na condução das tarefas, principalmente diante da intensificação do trabalho e das exigências de perfeição e cumprimento de prazos, ou seja, da pressão por qualidade e produtividade, características fortemente marcadas no mercado de trabalho capitalista competitivo fazem menção à perspectivas dos trabalhadores quanto ao uso de EPI’s. (TAKAHASHI et al., 2012).

Algumas medidas de controle de riscos ocupacionais podem ser aplicadas para a prevenção de doenças, são elas:

  • Evite o trabalho com agentes de risco à saúde, se possível substitua por outros componentes menos tóxicos;
  • Pratique os princípios da ergonomia na execução das tarefas, tome cuidado com a postura ao manusear equipamentos muito pesados;
  • Aposte na formação dos seus trabalhadores, a fim de sensibilizá-los para as questões de saúde e segurança.

Reconheça bem os riscos e caracterize os materiais, assim a análise realizada pelo laboratório será mais assertiva.

Gostou do artigo? Ficou com alguma dúvida ou quer saber mais sobre análises químicas? Entre em contato com a gente! Para saber mais sobre reconhecimento de riscos e sobre Higiene Ocupacional não deixe de curtir as redes sociais da Analytics Brasil!

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades de sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional, além de oferecer palestras de cunho educativo sobre higiene ocupacional.


Compartilhe:

Av. Bernardo Monteiro, 971 - 10 andar, Funcionários - Belo Horizonte /MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

(31) 99725-4404

[email protected]