Higiene Ocupacional em processos despadronizados

higiene ocupacional

Por:Leandro Magalhães
Higiene Ocupacional

25

mar 2022

Higiene Ocupacional em processos despadronizados 

Muitos profissionais de segurança do trabalho ficam perdidos ao avaliar agentes químicos quando o processo de trabalho não é padronizado. Por isso, vou te mostrar como você pode aplicar a Higiene Ocupacional nestes casos. 

Acompanhe este artigo! 

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!       

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas aulas gratuitas sobre temas que irão facilitar a avaliação de Agentes Químicos para Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo. Aproveite e se inscreva para a live da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga! 

Processos despadronizados 

Eventualmente, um higienista ocupacional pode se deparar com o desafio de avaliar riscos químicos em um ambiente de trabalho cujos processos estão despadronizados. Por exemplo, em locais onde não há uma divisão clara de setores, funções e atividades. Nestes casos, a visão que o profissional tem sobre os objetivos da aplicação da higiene ocupacional vai ditar os resultados que serão alcançados através do seu trabalho. 

Existem dois tipos de visão sobre a higiene ocupacional: a visão do coletor de amostras e a visão do gestor de riscos. 

O coletor de amostras 

Nesta situação, o coletor de amostras se preocupará com quais agentes químicos coletar, como realizar as medições perante a falta de organização e em como fará para conseguir concluir sobre as exposições para um laudo de insalubridade ou LTCAT. 

O gestor de riscos 

Já o gestor de riscos não pensará em avaliar os agentes químicos neste primeiro momento. O foco dele será em como reorganizar minimamente os processos para que possa diminuir ou eliminar algumas exposições, reduzir a quantidade de grupos homogêneos de exposição, otimizar processos e reduzir custos. Somente após isso, ele irá avaliar a necessidade de medição dos agentes químicos presentes no ambiente. 

Higiene Ocupacional 

Acima de tudo, o profissional que deseja ser valorizado deve compreender que a Higiene Ocupacional não se resume a simples medição dos agentes de risco. Deve-se ter clareza dos conceitos e métodos que suportam essa ciência. A avaliação dos agentes precisa ser vista como um meio para o gerenciamento das exposições e nunca como o fim último. Não adianta começar os trabalhos pelas medições de agentes químicos, especialmente em processos despadronizados.  

O reconhecimento de riscos é o primeiro passo do Higienista Ocupacional. A partir de uma análise qualitativa, já é possível identificar a intensidade das exposições. Os riscos que são desprezíveis, não precisam ser avaliados. Os riscos em que já se observa serem altos, devem ser controlados. E apenas aqueles riscos em que se há dúvida sobre a intensidade que devem ser avaliados. 

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades da sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional. E ainda oferecemos cursos e palestras sobre reconhecimento e avaliação de agentes químicos para higiene ocupacional.Contate-nos e saiba mais! 

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo: 

Inscreva-se em nosso canal do Youtube clicando aqui 


Compartilhe:

Av. Bernardo Monteiro, 971 - 10 andar, Funcionários - Belo Horizonte /MG