(31) 4063-9493 | 3146-9493     comercial@analyticsbrasil.com.br

Naftas: Descubra como analisar estes agentes químicos conforme a ACGIH

Por:Analytics Brasil
Análises Químicas | Higiene Ocupacional

08

set 2019

Essa é a sua chance de saber um pouco mais  sobre as Naftas – conhecidas também por derivados de petróleo, as naftas são utilizadas principalmente como matéria-prima da indústria petroquímica, e muitos profissionais têm muitas dúvidas de como enquadrar e analisar esse composto. Continue lendo este artigo e saiba mais!

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana, clique aqui e garanta a sua vaga!

O que são as naftas?

As naftas são compostos derivados da destilação do petróleo, são utilizados na indústrias para produção de combustíveis, polímeros e também são utilizados como solventes. A nafta quando inalada ou ingerida causa uma forte intoxicação aos seres humanos.

A nafta é composta por uma mistura de hidrocarbonetos, que são compostos orgânicos compostos apenas de carbono e hidrogênio. Muitas vezes essas naftas são utilizadas como solventes e seus limites de exposição ocupacional devem ser calculados com base na da metodologia do cálculo recíproco do anexo H da ACGIH, sendo que esse anexo é válido somente para os solventes compostos de hidrocarbonetos refinados. 

Cálculo Recíproco

Recentemente, a ACGIH retirou do livreto alguns limites válidos para naftas como por exemplo, a nafta VMP, que antes tinha um limite estabelecido na ACGIH. A justificativa é que os estudos desses solventes está ultrapassado e a composição desses solventes de petróleo começaram a variar muito com o tempo. Muitas vezes, a ACGIH não conseguia dar continuidade a essa atualização constante da composição desses produtos. 

Diante disso, a ACGIH estabeleceu o procedimento do cálculo recíproco,  que tem como base a composição do líquido, no qual é possível derivar e encontrar um limite de exposição ocupacional para determinado solvente. 

O procedimento é aplicável somente para aqueles solventes que contêm hidrocarbonetos, mas com composição e uma faixa bem restritiva, normalmente são aqueles compostos que têm de 5 a 15 átomos de carbono em sua estrutura e que o ponto de ebulição varia de 50ºC a 55ºC.

Fatores Determinantes

A toxicidade destes compostos não podem ser discrepantes, é necessário que tenham um efeito similar no organismo do indivíduo exposto, normalmente, a maioria deles possui o efeito da depressão do sistema nervoso central, ou seja, a base do cálculo recíproco é que esses agentes atuam como depressores do sistema central e tenham efeito aditivo. 

Compostos que não atuam com depressão do sistema nervoso central, ou seja, aqueles em que os efeitos no corpo são diferentes, é indicado atenção especial, principalmente nos casos de benzeno e n-hexano. O benzeno é cancerígeno e causa leucemia, neste caso ele não pode ser inserido no cálculo recíproco. Enquanto o n-hexano causa neuropatia periférica, e por isso deve ser monitora separadamente.

O procedimento é realizado com base na composição do líquido e é indicado para os casos em que se quer obter resultados de forma simples. Os fabricantes ao produzirem as naftas deveriam conhecer qual a real composição do produto e com isso informar nas suas fichas de segurança as composições, o que permitiria o cálculo recíproco. 

Seria necessário conhecer o percentual dos agentes presentes neste líquido de acordo com os GGVs ou Guias de Valores de Grupos, conforme a seguinte tabela a seguir, que fornecem as informações da toxicidade para cada grupo sendo eles subdivididos em relação aos efeitos toxicológicos os grupos de substâncias.

 

A fórmula para cálculo recíproco para misturas é a seguinte: 

Onde:

GGVmistura = Limite ocupacional LEO-TWA para a mistura calculado para 8 horas.

GGVa = Valor de Referência (TLV) para grupo ou componente a

Fa = Fração mássica no líquido do grupo 

 

Como coletar a amostra para enviar para o laboratório? 

A Nafta deve ser coletada em campo utilizando um tubo de carvão ativo, com uma vazão menor que 0,2l/min e, posteriormente, deve ser feito o envio para o laboratório para a análise de quantificação; com base no relatório, o resultado é comparado com o limite definido da nafta. 

Geralmente, os combustíveis possuem uma composição elevada de outros compostos mais tóxicos que não atuam com efeitos aditivos com depressão no sistema nervoso central e, com isso, não é possível aplicar o procedimento do cálculo recíproco.

Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário!

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades de sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional, além de oferecer palestras de cunho educativo sobre higiene ocupacional. Contate-nos e saiba mais!

 


Compartilhe:

Av. dos Andradas 3323 - Sala 1108/1109, Santa Tereza - BH/MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

comercial@analyticsbrasil.com.br