(31) 4063-9493 | 3146-9493     [email protected]

    • (31) 99725-4404

A varredura de metais é a solução?

varredura de metais

Por:João Vitor
Higiene Ocupacional

23

abr 2021

A varredura de metais é a solução? 

Muitos profissionais acreditam que a varredura de metais facilita o processo de Reconhecimento de Riscos Químicos. Eles acham que é mais simples e mais rápido. Porém, a varredura de metais nem sempre é a solução mais adequada. 

 

Acompanhe este artigo! 

 

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!       

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas aulas gratuitas sobre temas que irão facilitar a avaliação de Agentes Químicos para Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo. Aproveite e se inscreva para a live da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga! 

 

O que é uma varredura de metais? 

 

Uma varredura de metais é uma coletânea de análises de agentes químicos metálicos que podem ser coletados em um mesmo amostrador e possuem um mesmo método de análise. O maior é erro ao utilizá-la é acreditar que serão analisados todos os agentes presentes no ambiente, mas, na verdade, o laboratório apenas avalia uma lista de agentes pré-estabelecidos por ele. E aí, tem-se o primeiro problema: alguns riscos químicos podem ser negligenciados. 

 

Varredura de metais em setor de solda 

 

Ao se reconhecer riscos químicos é imprescindível analisar a composição dos produtos químicos utilizados. No setor de solda, as próprias FISPQ’s dos eletrodos e arames apresentam, entre outros agentes, os metais presentes neles. Assim, é possível direcionar as avaliações apenas para estes metais, dispensando a varredura e evitando análises desnecessárias. 

Além disso, também devem ser avaliados os produtos de decomposição, gases tóxicos e resinas que são possíveis riscos desta atividade. Isso já é assunto para outro artigo, mas lembre-se que muitos destes riscos não são considerados na varredura de metais. 

 

A influência das frações de coleta 

 

O terceiro problema é a omissão da influência do tamanho aerodinâmico das partículas nos riscos químicos associados aos metais. Segundo a ACGIH, os limites de exposição para cada metal são especificados para a fração respirável, inalável e/ou “total”. Se você analisar dois metais que possuem limites em diferentes frações em um mesmo amostrador estará desrespeitando a forma de coleta para, pelo menos, um deles. Sendo assim, não poderá comparar o resultado do laboratório com o previsto no livreto. 

 

Reconhecimento de riscos químicos 

 

Por fim, a etapa de reconhecimento de riscos químicos precisa ser realizada da melhor maneira possível. Não é indicado utilizar uma análise de varredura com o intuito de explorar os possíveis agentes químicos presentes em um ambiente. Nada substitui o julgamento profissional do Higienista Ocupacional, visita a campo, observação dos processos, do ambiente e conhecimento técnico. 

 

A Analytics Brasil além de realizar análises químicas para higiene ocupacional, atentando aos melhores métodos de amostragem de acordo com as necessidades da sua empresa, orientando quanto ao melhor tipo de amostragem, também realiza serviços de assessoria e consultoria em higiene ocupacional. E ainda oferecemos cursos e palestras sobre reconhecimento e avaliação de agentes químicos para higiene ocupacional. Contate-nos e saiba mais! 

 

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo: 

 

 

Inscreva-se em nosso canal do Youtube clicando aqui. 


Compartilhe:

Av. Bernardo Monteiro, 971 - 10 andar, Funcionários - Belo Horizonte /MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

(31) 99725-4404

[email protected]