(31) 4063-9493 | 3146-9493     contato@analyticsbrasil.com.br

    • (31) 99730-5753

Exposição aos fumos de solda: entenda o que diz a norma

Por:Analytics Brasil
Análises Químicas

16

nov 2018

O soldador é o profissional que trabalha com cortes e soldas de peças metálicas, como aço carbono e inox, por exemplo. O exercício dessa profissão traz riscos à saúde desse trabalhador: a exposição aos fumos de solda pode desencadear uma série de doenças, como a asma e, até mesmo, câncer.

A legislação brasileira pontua as orientações necessárias para que a integridade física dessas pessoas seja preservada. Conheça, agora, questões importantes a respeito dessa atividade, como os seus riscos, as análises adequadas e o que as normas de segurança falam sobre isso. Continue a leitura e descubra!

Os fumos de solda e as normas de segurança

A exposição aos fumos de solda pode comprometer a saúde do colaborador, uma vez que essas partículas se tratam de um particulado resultante dos metais liberados pelos processos de soldagem.

Esse particulado forma-se pela vaporização do metal exposto no processo de soldagem que, ao resfriar, se condensa e reage ao encontrar com o oxigênio presente no ambiente. Quanto menor a partícula dos fumos, maior o perigo apresentado por meio da aspiração desses componentes.

A contaminação do ambiente de trabalho compromete a produtividade e, com isso, acaba por também reduzir a lucratividade da empresa e os níveis de engajamento dos seus trabalhadores.

Para proteger a saúde daqueles que trabalham nesses ambientes insalubres, o Ministério do Trabalho aprovou, no final dos anos 1970, um conjunto de exigências e condutas relativas à segurança e a medicina do trabalho, chamado Normas Regulamentadoras (NR).

O que as normas falam a respeito

As normas regulamentadoras NR-15 e NR-9 estabelecem as diretrizes dos limites de exposição ocupacional e, consequentemente, envolvem as substâncias químicas presentes no fumo de solda. Conheça cada uma delas!

Norma Regulamentadora 9

NR-9 trata-se do “Programa de prevenção de riscos ambientais”, que é responsável por estabelecer às empresas a obrigatoriedade de elaborar e implementar o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA).

O PPRA tem como objetivo preservar a saúde e a integridade dos colaboradores, por meio da prevenção, avaliação e controle dos riscos ambientais que existem ou possam existir no ambiente de trabalho, protegendo o meio ambiente e os recursos naturais.

Essa norma é bastante abrangente e compreende todos os agentes químicos, físicos e biológicos que o local de trabalho pode apresentar, além da intensidade e dos níveis de concentração de cada um. Funcionários contratados por empresas que atendem aos requisitos dessa norma trabalham com mais tranquilidade e podem exercer suas funções com segurança.

Norma regulamentadora 15

A NR-15 propõe, em seu texto, a definição das atividades que são consideradas insalubres. O anexo 11, intitulado “Agentes químicos cuja insalubridade é caracterizada por limite de tolerância e inspeção do local de trabalho” concede uma tabela com os níveis de exposição que identificam a insalubridade e se os limites são válidos para inalação desses elementos.

A concentração mínima de oxigênio em ambientes de risco deve respeitar os 18% em volume. Caso esteja abaixo desse nível, é considerada risco grave e iminente ao ambiente.

Caso os limites de tolerância sejam ultrapassados, o empregador deverá pagar o adicional de  insalubirade para os trabalhadores envolvidos. Por isso, deve ser feita uma análise química dos agentes gerados pelo processo de solda, a fim de obter as concentrações destes para posterior comparação com o limite.

A importância da análise

Realizar uma análise do ambiente é um passo um pouco mais complexo e, devido a sua importância, deve ser feito por um laboratório especializado nesse serviço.

Esse apoio é imprescindível para trazer segurança e bem-estar aos colaboradores, impactando diretamente na redução de custos da empresa, uma vez que um ambiente saudável promove a diminuição do absenteísmo e prevenção em possíveis ações trabalhistas.

Trabalhadores que laboram inalando esses elementos nocivos à saúde podem ser acometidos de um mal estar ou desenvolver uma grave doença. A análise se faz importante para verificar a concentração dos agentes tóxicos no local de trabalho, mantendo a conformidade com a legislação.

Análises incorretas podem prejudicar a quantificação dos mesmos e levar a uma tomada de decisão de maneira equivocada. Isso prejudica a empresa, pois expõe a equipe, desperdiça recursos, reduz a produtividade e, possivelmente, faz com que a companhia seja multada.

Componentes que comumente estão presentes nas soldas

Deve-se realizar uma caracterização da composição do eletrodo/vareta de solda e o metal base a fim de identificar os principais metais presentes nos processos de soldagem e que podem afetar a saúde dos trabalhadores, entre eles os mais comuns:

  • cobre;
  • alumínio;
  • ferro;
  • cádmio;
  • chumbo;
  • cromo;
  • zinco;
  • níquel;
  • manganês.

Além dessas substâncias, em soldas que utilizam arco elétrico com MIG/TIG podem ser gerados contaminantes como gás ozônio, óxido de nitrogênio e dióxido de nitrogênio. Cada um desses componentes tem seu próprio método de análise ideal.

Riscos da exposição aos fumos de solda

A exposição aos fumos de solda traz diversos danos à saúde do trabalhador. Por serem pequenas o suficiente para que sua inalação aconteça, podem causas sérios problemas nos pulmões do profissional.

Asma, ulcerações de pele, dermatite, infertilidade, infarto, problemas no septo nasal, câncer de pulmão e outras doenças pulmonares são desencadeados em pessoas que ficam expostas às substâncias tóxicas.

Perceba que todas essas estão ligadas às vias respiratórias, e a prevenção é medida obrigatória para aqueles que se preocupam com a integridade da sua equipe.

Medidas de prevenção

Os exaustores desempenham uma importante função na prevenção a esses riscos. Dissipar os gases e os fumos produzidos de maneira incorreta é fundamental para que não ocorra o surgimento de doenças ocupacionais.

Assim como os sistemas de ventilação e filtragem adequados, o uso de EPI’s também deve ser rigorosamente cumprido e controlado. Porém, esta é a ultima opção, segundo a hierarquia da medida de controle.

A exposição aos fumos de solda pode ser extremamente perigosa para a saúde do trabalhador, mas com as medidas necessárias de análise e prevenção para proteger a integridade dessas pessoas é possível que as atividades sejam desempenhadas com segurança, garantindo a qualidade de vida e tranquilidade aos profissionais.

A Analytics Brasil pode ajudar no processo de controle e prevenção! Entre em contato conosco agora mesmo e conheça o nosso trabalho!


Compartilhe:

Av. dos Andradas 3323 - Sala 504, Santa Tereza - BH/MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

(31) 99730-5753

contato@analyticsbrasil.com.br