(31) 4063-9493 | 3146-9493     contato@analyticsbrasil.com.br

    • (31) 99730-5753

Vibração ocupacional: quais são os riscos gerados?

Por:Redator Analytics Brasil
Segurança do Trabalho

04

out 2018

A vibração ocupacional é um tipo de problema que está acometendo grande número de pessoas. É preciso deixar claro que a exposição continuada às vibrações pode causar alguns danos, como doenças vasculares, neurológicas e musculares. 

É importante saber que as consequências dependem de quatro fatores principais: frequência e aceleração das oscilações, pontos de aplicação no corpo e duração da ação. 

A vibração, geralmente, é de corpo inteiro ou apenas nas mãos e braços, e as pessoas mais atingidas são as que trabalham com maquinário pesado, causador de grandes tremulações.

Ficou interessado no assunto? Então, continue a leitura deste artigo e veja quais são os riscos gerados pela vibração ocupacional.

Quais são os efeitos da vibração?

Quando os colaboradores se expõem às vibrações por curto período, pode haver o surgimento de dores abdominais, musculares, náuseas e, em alguns casos, aumento dos batimentos cardíacos, por conta do estresse. 

Pessoas que exercem esse tipo de atividade por longo tempo podem ter o sistema nervoso comprometido, apresentando também problemas no coração e na coluna, e impotência do aparelho reprodutor.

Síndrome de Raynaud

Algumas pessoas apresentam a síndrome de Raynaud, que é uma doença que prejudica a irrigação de sangue nas mãos, por causa da obstrução de vasos e artérias. Essa síndrome também é chamada de “doença dos dedos brancos”.

Em estágio mais avançado, ela pode ocasionar a necrose dos dedos, pois afeta o sistema circulatório, provocando o estreitamento dos vasos sanguíneos. 

Como fazer a análise preliminar de exposição?

A análise preliminar de exposição é uma forma de reunir elementos que permitam o enquadramento das situações analisadas em três possibilidades:

  1. convicção técnica de que as situações de exposição sejam aceitáveis, estando abaixo do nível de ação;
  2. convicção técnica de que as situações de exposição sejam aceitáveis, estando acima do limite de exposição;
  3. incerteza em relação à aceitabilidade das situações de exposição analisadas. 

Contudo, para realizar a análise preliminar de exposição é preciso considerar outros aspectos, como:

  • informações fornecidas pelos fabricantes das máquinas, incluindo os níveis de vibração ocasionados em suas operações;
  • estado de conservação dos equipamentos, analisando os sistemas de amortecimento, assentos e demais dispositivos que possam interferir na exposição dos operadores; 
  • informações sobre medições de exposição ocupacional já existentes;
  • características da superfície de circulação;
  • constatação de condições específicas de trabalho que possam agravar as condições de exposição;
  • tempo de exposição diária;
  • dados relativos a reclamações, predisposições atípicas ou antecedentes médicos relacionados aos trabalhadores expostos e aos efeitos gerados.

É preciso deixar claro que, quando houver convicção técnica de que as situações de exposição são aceitáveis, não é necessário realizar avaliações quantitativas. Será preciso apenas a manutenção das condições existentes. 

Contudo, se as situações forem inaceitáveis, será preciso adotar medidas de controle, analisando a situação e mudando o panorama. Quando a situação permanecer incerta, será necessário efetuar a avaliação qualitativa.

Quais são as medidas corretivas e preventivas?

A vibração ocupacional também permite o emprego de medidas corretivas e preventivas. Mesmo quando aceitável, deve-se adotar medidas que possam reduzir os níveis de exposição, garantindo a segurança dos profissionais.

Medidas preventivas

As medidas preventivas são aquelas que buscam minimizar a probabilidade do surgimento de problemas por conta da vibração ocupacional. O monitoramento periódico, por exemplo, é uma excelente prática. 

Esse tipo de monitoramento visa acompanhar os níveis de exposição, modificando as medidas de controle sempre que necessário. O controle médico, por sua vez, deve englobar o exame físico e a manutenção de um histórico com informações sobre exposições anteriores. 

Medidas corretivas

As medidas corretivas visam reduzir os níveis de exposição à vibração, devendo-se adotar algumas recomendações, como:

  • modificação da operação de trabalho, substituindo ferramentas e acessórios ou reorganizando bancadas e postos de trabalho;
  • manutenção de ferramentas que estejam em bom estado de conservação;
  • troca de componentes, quando produzirem vibração excessiva;
  • redução do tempo de exposição diária;
  • revezamento de atividades, com outras que não apresentem exposições.

A vibração ocupacional é um distúrbio sério e que deve ser cuidadosamente tratado, evitando maiores problemas.

E aí, gostou do nosso artigo? O que achou das informações sobre vibração ocupacional? Deixe um comentário e participe do nosso blog. A sua opinião é fundamental para a nossa produção de conteúdo!


Compartilhe:

Av. dos Andradas 3323 - Sala 504, Santa Tereza - BH/MG

(31) 4063-9493 | 3146-9493

(31) 99730-5753

contato@analyticsbrasil.com.br